Falsa médica chamou atenção por CRM fora do padrão e troca de consultórios

Só para assinantesAssine UOLReportagemFalsa médica chamou atenção por CRM fora do padrão e troca de consultóriosCarlos MadeiroColunista do UOL01/05/2024 04h00Atualizada em02/05/2024 15h47

da betnacional

da gbgbet: A falsa médica nutróloga Helenedja Oliveira, que atendia ilegalmente em Maceió, chamou a atenção dos médicos após usar um número de CRM (Conselho Regional de Medicina) de Alagoas completamente fora do padrão estadual e por um detalhe inusitado: ela sempre mudava o local de atendimento, como se estivesse “fugindo” de eventuais fiscalizações.

Isso levantou suspeitas de profissionais, que levaram o questionamento sobre ela não ser formada.

A falsa médica foi flagrada pela polícia no seu consultório no último dia 10. Por ser crime de menor potencial ofensivo, não cabe prisão e ela responde em liberdade. Ela atuou ilegalmente por cerca de nove anos, diz a investigação.

  • Juca Kfouri

    Em jogo quente, Galo tira o doce da boca do Flu

  • André Santana

    R$ 60 mi por um dia de Madonna. E o povo?

  • Wálter Maierovitch

    As reações do Hamas ao forte ultimato de Israel

  • Natalia Timerman

    Paul Auster: o escritor e seus livros não morrem

Helenedja atendia em um famoso centro médico de Maceió usando um número de registro que não existe: 81.420. Com ele, receitava remédios e passava exames usando um carimbo como se fosse médica.

Aqui em Alagoas nós temos perto de 11 mil médicos cadastrados, e o CRM é dado numa ordem sequencial. Atualmente no estado, nós só temos CRM até perto de 11 mil. E só existem duas pessoas no Brasil todo com esse mesmo número CRM: uma de São Paulo, outra de Minas Gerais.
Benício Bulhões, presidente do CRM-AL

Outra suspeita levantada veio após a esposa de um médico, que é farmacêutica, dispensar a medicação de um dos pacientes atendidos e perceber uma incoerência no número de registro da falsa médica.

Sem registro e mudando de local

Helenedja se dizia gaúcha e formada em medicina pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). A instituição, porém, afirma que ela nunca estudou medicina lá. Também não há registros dela no CRM do Rio Grande do Sul, onde ela disse ter registro de médica.

Continua após a publicidade

O presidente do CRM-AL explica que, para um médico de um estado poder trabalhar em outro, é preciso fazer um registro provisório no conselho. “Aí seria uma autorização provisória de até 90 dias para trabalhar. Isso seria anotado em sua carteira profissional e ela estaria respaldada, podendo utilizar o CRM desse outro estado.”

Além disso, o CRM de Alagoas recebeu a informação de que ela sempre mudava o local de atendimento.

Ela eventualmente mudava seu consultório de local, então alguns começaram a questionar, porque não a conheciam aqui da cidade. Essa foi a primeira suspeita, e foram questionar o conselho se ela realmente seria médica.

Um médico cirurgião, que pediu para não ter o nome revelado, trabalhava no mesmo centro médico que a falsa nutróloga e conta que chegou a “tomar um café” com a mulher, quando ela propôs uma parceria para atender os pacientes dele que precisavam emagrecer para passar por procedimentos. “Ela me disse que era gaúcha e que veio para cá porque se casou com um alagoano.”

Um ponto que chamou a atenção do médico foi que ela disse que não fazia aplicação de medicação injetável, uma das especialidades mais comuns e rentáveis da nutrologia.

Continua após a publicidade

Newsletter

OLHAR APURADO

Uma curadoria diária com as opiniões dos colunistas do UOL sobre os principais assuntos do noticiário.

Quero receber

Achei estranho porque, normalmente, é uma das primeiras coisas que um nutrólogo faz. Ela disse que não fazia, ficou desconversando, afirmou que ia fazer depois, e isso chamou minha atenção. Depois que vi que ela era falsa médica, entendi.
Médico que conversou com Helenedja

Especialista em câncer e atenciosa

Em sua página pessoal e na rede social, Helenedja se autointitulava “especialista em emagrecimento pré-cirúrgico, tratamento de obesidade e oncologia metabólica.”

A Polícia Civil de Alagoas indiciou-a por exercício ilegal da profissão, mas ela também é investigada por estelionato.

A profissional cobrava R$ 450 de pacientes sem plano de saúde. Para clientes com convênio, ela negociava o preço. Além disso, tinha um site e usava redes para dar “dicas” e trazer “informações” sobre saúde em sua área.

Continua após a publicidade

Segundo apurou o UOL em conversas com ex-pacientes, Helenedja era simpática, parecia ser conhecedora do tema e era atenciosa em suas consultas, que eram demoradas.

Eu fiquei lá por quase duas horas. O consultório estava cheio, e ela é muito simpática, faz um trabalho individualizado. Cheguei e tinha um cartão personalizado no meu nome.
Anita Bezerra, 47, servidora federal

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também
Deixe seu comentárioSó para assinantes